Controle de ruído na F1

O novo ruído dos carros da Formula 1 continua incomodando. Enquanto muita gente tenta reduzir o ruído, os engenheiros da Mercedes estão fazendo força para aumento o barulho dos motores.

O tetra campeão mundial Allan Prost já se manifestou dizendo para esquecer esse “problema” e concentrar no desenvolvimento tecnológico.

Essa celeuma nos apresentou uma boa oportunidade para falar sobre controle de ruído. Reduzir o ruído de uma fonte sonora, especialmente no caso da Fórmula 1, nem sempre é uma tarefa fácil.

Controle de Ruído

Todo problema de controle de ruído envolve uma fonte sonora, a trajetória de propagação do ruído e um receptor. Com isso, o controle do ruído pode ser feito em qualquer um desses elementos.

O receptor normalmente é o ser humano, mas pode também pode ser uma comunidade. De qualquer forma, se há reclamação de ruído é porque alguém está escutando e se incomodando. Uma forma de controlar o ruído no receptor é por meio do uso de protetores auriculares, solução aplicada na indústria, quando os níveis de ruído podem ser prejudiciais à saúde do trabalhador e por lei devem fazer uso de EPI.

O caminho de propagação do ruído pode ser o ar, ou uma tubulação, paredes entre outros. Controlar o ruído agindo no caminho de transmissão é a forma mais comum de se trabalhar. A maneira mais simples de reduzir o ruído no receptor é afastando-o da fonte. Como nem sempre isso é possível, pode-se agir por meio do enclausuramento da fonte sonora, pela colocação de barreiras no caminho de transmissão, atenuadores de ruído nas saídas de ar, entre outros.

Porém a forma mais efetiva de controlar o ruído é agindo diretamente na fonte sonora, ou seja, no projeto da máquina. Essa abordagem tem o inconveniente de, normalmente, ter custo elevado, requerer muito tempo de projeto e gerar perda de garantias do fabricante.

Controle de ruído bem feito

Alterar o projeto de uma máquina pode interferir diretamente no rendimento da mesma. Essa afirmação pode ser comprovada nos novos carros da Fórmula 1. Os novos motores V6 turbo foram projetados para serem tão potentes quanto os antigos V8. No entanto, sua forma construtiva, a redução de 2 cilindros no motor, faz com que o mesmo seja mais silencioso, ou ao menos tenha um espectro de ruído que nos dá a sensação de serem mais silenciosos.

Acontece que o público e patrocinadores querem o ruído que havia antes, mas os fabricantes e equipes estão receosos de alterarem os projetos para gerar mais ruído e terem uma redução do desempenho do motor. Isso deixa claro que um projeto de uma máquina, seja ela qual for, quando bem pensado pode torná-la mais eficiente e mais silenciosa.

A Mercedes já destinou um grupo de engenheiros para estudar soluções para aumentar o ruído sem perder a eficiência do motor. Desenvolveram uma peça batizada de “megafone” para acoplar ao carro e ao que tudo indica, pouca diferença fez no barulho dos carros.

carro formula 1

E você está mais interessado na tecnologia dos novos carros ou no barulho dos motores?