Cortina acústica

Outro dia li um artigo em um site de inovação tecnológica que me chamou muito atenção “Cortina à prova de som absorve ruídos externos e internos”. O artigo trata de dois conceitos de acústica que são o isolamento e o tratamento, ou condicionamento, acústico. Leia um pouco mais a esse respeito em nosso post “Comportamento acústico dos materiais. Lá falamos rapidamente sobre a diferença entre um material de isolamento para um de tratamento acústico.

Voltando ao artigo, ser à prova de som remete a isolamento acústico, o que se tratando de uma cortina seria muito bom. Entretanto, não é bem isso que a cortina faz.

Tratamento acústico

Para o tratamento acústico, a cortina parece ser muito boa. Diz o artigo que ela possui alta absorção sonora, o que é desejável para controlar a reverberação de um ambiente e torná-lo mais agradável, confortável.

Vamos imaginar um salão de festas, ambiente que geralmente possui pisos frios, mesas de vidro e móveis com revestimentos laminados, não porosos, e paredes lisas. Este conjunto de materiais torna o ambiente muito reverberante, pois a absorção sonora é muito baixa ou “inexistente”.

salao de festas, cortina acústica, tratamento acústico, tempo de reverberação

É comum notarmos que em ambientes desse tipo, basta que três ou quatro pessoas estejam conversando para não entender o que é dito. Neste ambiente, a cortina que tem a propriedade de absorver o som em determinadas frequências corrigiria o excesso de reverberação e tornaria o ambiente acusticamente mais agradável.

Isolamento acústico

Já em relação ao isolamento, a matéria sugere que tal cortina seria apropriada para o isolamento acústico, que, como o próprio nome diz, implica em isolar, bloquear, o som.

Se pensarmos numa cortina para uso residencial, ela possivelmente será muito leve para garantir um isolamento acústico satisfatório. Existem cortinas para controle de ruídos industriais que fornecem um ótimo isolamento, mas seu peso não é interessante para o uso em residências.

O som é uma onda mecânica, uma variação de pressão. Ao atingir uma partição, a onda sonora empurra a mesma fazendo com que ela vibre. Ao vibrar a partição vai excitar o ar do outro lado e vai gerar uma nova onda sonora similar à primeira, só que com menos força. Então, de fato, o som não atravessa a partição, mas a faz vibrar e consequentemente gerar uma nova onda sonora do outro lado. Com isso, vemos que quanto mais pesada uma partição maior sua capacidade de isolamento acústico. Por isso que uma cortina leve não é eficiente em bloquear o som.

Para isolamento acústico não existe solução mágica, a solução sempre passa por elementos de alta densidade, pesados!

Por Vítor Litwinczik