Fone de ouvido sem alto-falantes

sound band, fone de ouvido, headphone, fone sem alto-falantes, alto-falantesEnquanto uns colocam fones gigantes e coloridos, outros simplificam tanto o sistema que tiram até os alto-falantes!

O que não reflete diretamente em perda da qualidade sonora. Com esse novo fone de ouvido, não precisamos nos isolar do mundo externo para ouvir música. Arrisco afirmar que, além de manter uma qualidade sonora, ganha-se em segurança.

Fones de ouvido x segurança

Os fontes de ouvido convencionais, quando desligados, funcionam quase como protetores auriculares, criam uma barreira ao som externo e podemos nos isolar do meio externo e ficar ouvindo música sem muitas interferências. As vezes isso pode ser perigoso. Ao andar na rua, especialmente se for de bicicleta, é importante mantermos os ouvidos alertas à todos os ruídos ambientes, pois muitos deles indicam perigo iminente como um carro se aproximando, por exemplo.

superfones, fone de ouvido, headphone, alto-falantes, pique, espanha, seleção espanhola

Os superfones de ouvido que viraram hit entre os esportistas. Fonte: Veja.

Como esse sistema não tapa as orelhas podemos ouvir nossa música e os sons do ambiente ao mesmo tempo!

Mas se não tem alto-falantes como ele funciona?

O som que ouvimos não é exclusivamente transmitido pelo ar. Quando vamos ao dentista, o barulho da broca no dente pode parecer muito mais intenso do que realmente é, pois parte do que ouvimos chega até a orelha interna por meio dos ossos da cabeça, a transmissão estrutural. É o mesmo caso do “ruído do salto do sapato no apartamento de cima”, ele chega até nós por meio da vibração da estrutura da construção. Então, como esse fone fica em contato direto com a cartilagem da orelha e o osso do crânio atrás da orelha, ao tocar uma música ele vai vibrar e transmitir do som, por meio de energia vibratória, até a orelha interna e então ouvimos a música!

Acompanhe a matéria do TechTudo, e assista a um vídeo do Sound Band

 

E então, o que você achou desse novo modelo de fone de ouvido?

Por Vítor Litwinczik